O que é erosão do esmalte?

O que é erosão do esmalte?

O esmalte é um tecido acelular altamente mineralizado, composto predominantemente por uma forma cristalina de fosfato de cálcio conhecida como hidroxiapatita. Enquanto fornece a força mecânica necessária para a mastigação, seu elevado conteúdo mineral torna o esmalte susceptível ao processo erosivo de desmineralização causado por ácidos. Ao contrário do que ocorre na presença de cáries, as superfícies erodidas do dente são normalmente limpas e livres de placa dentária. As fontes comuns de ácido são dietas como frutas, sucos de frutas e bebidas gaseificadas. Os ácidos podem amolecer o esmalte, o qual, se não for novamente endurecido, poderá ser desgastado. Uma vez que o esmalte é perdido, o corpo não é capaz de substitui-lo.

Nos estágios iniciais, o processo erosivo é invisível. Havendo progressão para o desgaste do dente, características anatômicas como o cíngulo e os mamelões começam a se tornar menos nítidas. Em estágios posteriores, o esmalte dos dentes anteriores pode tornar-se mais fino nas bordas incisivas e mais translúcido, eventualmente desprendendo pequenas lascas. Uma vez que a dentina é exposta, os dentes se mostram mais amarelos e pode haver um aumento na sensibilidade. Em casos graves, a perda do tecido dentário compromete a função, assim como o conforto e a estética do paciente. O desgaste erosivo dos dentes é um problema comum e crescente, com efeitos cumulativos ao longo da idade. Um estudo recente mostrou que em torno de 30% dos adultos jovens em países europeus eram afetados por essa problemática*.

*Bartlett DB et al. Prevalence of toothwear on buccal and lingual tooth surfaces and possible risk factors in young European adults. J Dent. 2013; 41:1007–1013

O que aumenta o risco de erosão do esmalte?

Causes of tooth enamel erosion

O consumo de ácidos na alimentação é provavelmente o fator mais comum e modificável, que afeta a maior parte da população. Ao contrário das expectativas dos pacientes, uma dieta saudável envolvendo o consumo frequente de frutas e sucos ácidos pode aumentar o risco de desgaste erosivo dos dentes, devido aos ataques repetidos de ácidos durante o dia. Provavelmente o fator de risco mais comum é o consumo de frutas ácidas, mas hábitos como movimentar o alimento pela boca, aumentando o tempo de contato entre o ácido e os dentes, também pode aumentar o risco de erosão.

Indivíduos apresentarão diferentes susceptibilidades a sofrer erosão do esmalte dependendo das características da saliva e da película adquirida, que reveste e protege os dentes. Contudo, estas defesas naturais podem ser prontamente superadas por muitos ácidos da alimentação. Condições em que os dentes são expostos a ácidos gástricos também são reconhecidas como fatores de risco significativos; por exemplo, transtornos alimentares envolvendo vômitos e problemas como refluxo gastroesofágico.

As tendências de aumento da expectativa de vida e de retenção dos dentes sugerem que o risco de erosão na população continuará a aumentar no futuro.

A importância do tratamento no estágio inicial

A importância do tratamento no estágio inicial

Os efeitos do desgaste dos dentes são cumulativos; portanto, pode-se esperar certo grau de desgaste dos dentes durante a vida, parcialmente devido ao envelhecimento. Contudo, em indivíduos de alto risco, a taxa de desgaste progressivo dos dentes é maior. Nos estágios iniciais, os pacientes geralmente não apresentam sintomas, mas em estágios relativamente avançados, quando a perda da substância dos dentes causa seu encurtamento, tratamentos de restauração podem ser necessários.

Portanto, é importante que os clínicos façam o diagnóstico em estágios iniciais da erosão do esmalte e realizem uma avaliação de risco para identificar os pacientes que se beneficiariam de estratégias preventivas, para reduzir a perda do esmalte. Um histórico e exame detalhados podem ajudar a determinar se existe risco de exposição a ácido de origem alimentar ou de outra fonte. O aconselhamento preventivo geral pode incluir a redução da frequência de ingestão de ácido, a modificação de hábitos como sugar e movimentar o alimento pela boca para minimizar a exposição aos ácidos e evitar a escovação dos dentes imediatamente após o consumo de ácidos, enquanto a superfície do esmalte está amolecida e vulnerável ao desgaste.

Como parte do regime preventivo, duas escovações diárias com creme dental fluoretado continuam sendo essenciais. O Creme Dental Avançado REGENERATE Enamel Science™ contém flúor e tecnologia NR5™, sendo adequado para substituir o creme dental comum.